Publicado em

Páscoa já gera renda no varejo e contratações na indústria

A quase dois meses da Páscoa, a data, comemorada no dia 12 de abril, já está no radar do mercado, movimentando desde a indústria até o varejo e a panificação. Em alguns supermercados e padarias de Belo Horizonte, ovos de chocolate já estão sendo comercializados. A antecipação vem a reboque da expectativa de crescimento nas vendas neste ano, em comparação com o anterior, que, de acordo com empresários, deve ficar entre 4% e 5%. Isso fez com que o feriado fosse apontado como o quarto mais aguardado pelo comércio, em pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Minas Gerais (Fecomércio-MG), citada por 13,4% do empresariado como um ponto de atenção no início do ano.

Vinicius Dantas, presidente da Associação Mineira de Panificação (Amipão), explica que o cenário econômico está mais favorável no início de 2020 do que esteve em 2019. Ele cita fatores como o rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em Brumadinho, que causou retração na indústria mineira, e o pequeno desenvolvimento das políticas econômicas dos governos federal e estadual. “Puxado pelo Carnaval, estamos percebendo aquecimento na economia. Isso se dá na dificuldade de contratação de mão de obra, na falta de algumas mercadorias que usamos como matéria-prima. A expectativa para a Páscoa é muito positiva, a panificação está modificando os hábitos e inovando. Esperamos crescimento de, no mínimo, 5% no período”, afirma o empresário.

Emprego

A boa perspectiva para o feriado se refletiu no número de contratações na indústria brasileira de chocolates neste ano. Para atender os pedidos de Páscoa, o setor gerou 14 mil vagas temporárias, entre diretas e indiretas, nos dois primeiros meses de 2020. A informação é da Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Amendoim e Balas (Abicab). Não há informações específicas sobre o mercado de Minas Gerais. De acordo com a entidade, o planejamento para as vendas começou a ser pensado há 18 meses, e as contratações começaram a tomar corpo em setembro de 2019.

Historicamente, há aumento de 16% no volume de mão de obra nos parques industriais no período, e neste ano a Abicab prevê patamar parecido. Apesar de alguns produtos já serem comercializados no varejo, a entidade acredita que os ovos devem tomar conta das gôndolas de supermercados só depois do Carnaval.

O presidente da Abicab, Ubiracy Fonsêca, ressalta que o investimento em inovação no mercado de chocolates é uma das razões para o crescimento no mercado de Páscoa, além do caráter emocional da celebração. “Presentear com chocolate na Páscoa é uma tradição no Brasil, por isso as indústrias investem constantemente em inovação para fazer frente a esta demanda e contribuir, durante este período, para o aquecimento da economia e a movimentação do varejo”, afirma.

Carnaval deve movimentar R$ 8 bi só no setor de turismo

O feriado prolongado de Carnaval deve movimentar R$ 8 bilhões em atividades relacionadas ao turismo neste ano, estima a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O faturamento, se confirmado, representará aumento real de 1% em relação ao obtido em igual período do ano passado e o maior volume desde 2015. Segundo a CNC, a recuperação gradual da atividade econômica, combinada à inflação baixa tende a se refletir na recuperação moderada dos serviços turísticos.

Além disso, o fortalecimento do dólar ante o real deve favorecer um maior fluxo interno de turistas. O Ministério do Turismo calcula que pelo menos 36 milhões de brasileiros vão passar o feriado nos seis principais destinos carnavalescos do país. A CNC calcula que, para atender ao aumento de demanda, 25,4 mil trabalhadores temporários foram contratados entre janeiro e fevereiro deste ano.

Quem fatura mais

Carnaval por Estado:

Rio de Janeiro

R$ 2,68 bilhões

São Paulo

R$ 1,94 bilhão

Bahia

R$ 1,36 bilhão

Minas Gerais

R$ 809,7 milhões

Pernambuco

R$ 381,9 milhões

Ceará

R$ 318 milhões

Publicado em Deixe um comentário

Setor da panificação aposta na Páscoa para atrair consumidores e lucrar

A poucos dias da chegada da tradicional comemoração, panificadores acreditam que há bastante espaço para aumentar as vendas

A Páscoa está se aproximando e a procura por produtos à base de chocolate estão em alta. Ainda há muitos indecisos em busca de boas opções para presentear -e se deliciar também. No entanto, os elevados preços dos industrializados, somados à crescente busca por alimentos gourmet e personalizados, têm levado os consumidores a buscar outras alternativas para presentear amigos e familiares.

Segundo pesquisa do site Mercado Mineiro, em Belo Horizonte, a variação no valor de produtos típicos da época pode chegar a 75%. Além disso, os produtos também estão mais caros em relação ao ano passado, um aumento acima da inflação. Outro fator que impacta as vendas dos industrializados é as dietas restritivas e funcionais. Assim, muitos consumidores estão optando por ovos ou outros produtos correlatos, fabricados artesanalmente.

Na esteira dessa procura crescente, as padarias estão “colocando a mão na massa”, providenciando seus estoques e mirando na data comemorativa, com oferta de produtos de fabricação própria, que aliam beleza e sabor. “A expectativa de vendas é muito positiva. As padarias trabalham intensamente nas datas comemorativas ao longo do ano e a Páscoa, acompanhada pelo aumento no consumo do chocolate verificado nesta época, ajuda muito na atração de fluxo e no aumento das vendas”, afirma o presidente da Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amip), entidade que compõe a Amipão, Vinícius Dantas. “Percebemos uma variação média de incremento nesta época do ano de R$ 15 a R$ 50 no ticket médio, ou seja, uma ótima maneira de aumentar o faturamento e ainda fidelizar novos clientes”, destaca.

Produção própria e caprichada para o período

Segundo Vinícius, o forte nesta Páscoa será a fabricação de ovos de chocolate tradicionais e recheados, ovos de colher, bolos com decoração especial, tortas artesanais e as colombas pascais, doces e salgadas. “Com um pouco de criatividade é possível explorar várias maneiras de aumentar o faturamento”, afirma.

Apostando no bom desempenho das vendas do produto neste ano, a padaria Portugal, na região da Pampulha, apresenta novos sabores de ovos de colher para os seus clientes. “No ano passado, vendemos cerca de 300 ovos e esperamos dobrar as vendas esse ano. Estamos testando mais receitas para diversificar”, conta a gerente administrativa e sócia-proprietária, Maria do Rosário. Para atender à alta da demanda na padaria, Maria conta que remanejou a equipe de funcionários. “Temos dois confeiteiros que estão dedicando dois dias por semana exclusivamente para a produção dos ovos”, finaliza, otimista.