A resiliência das padarias

A crise desencadeada pela Covid-19 afetou o mundo e continua gerando incertezas em todos os setores da economia, incluindo a panificação. Ainda que as padarias integrem a lista de estabelecimentos considerados essenciais, que permite a abertura das lojas, o segmento vem sendo fortemente afetado pela drástica redução no movimento de pessoas circulando pelas ruas.

Sobreviver a esse cenário desalentador configura um desafio tão intenso quanto a última crise vivida pelo segmento durante a greve dos caminhoneiros, em 2018. Na ocasião, as lojas lidavam com a falta de produtos típicos e precisaram se esforçar muito para seguir de portas abertas no período. Apesar disso, assim como na paralisação, o segmento da panificação, composto essencialmente por micro e pequenas empresas, mais uma vez repete o empenho para servir a sociedade da melhor maneira possível durante a pandemia.

Com o propósito de amenizar as perdas, o Sindicato e Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amipão) tem orientado os seus associados para a consolidação do modelo multisserviços que potencializa encomendas e entregas, sem perder de vista as recomendações dos órgãos oficiais de saúde. Com as pessoas em casa, o momento favorece a produção de porções menores, que devem estar devidamente prontas e embaladas para serem consumidos fora da padaria, seja durante o café da manhã ou no almoço. Também é possível disponibilizar pequenos modelos de tortas, doces, salgados, entre outros, para a realização de celebrações adaptadas com uma quantidade menor de pessoas.

Com boa parte da população cada vez mais conectada à internet, o investimento em estratégias de marketing digital para ampliar a presença nas redes sociais, bem como outros canais e plataformas de comércio online, é outra solução que se faz ainda mais necessária para manter as vendas aquecidas. Nesse contexto, as ferramentas virtuais permitem uma interação rápida com o cliente, a divulgação de produtos e ações realizadas no negócio, além de impulsionar os serviços de entrega em domicílio.

A Amipão segue buscando diferentes autoridades dos governos federal, estadual e municipais com a proposta de solicitar a redução de alguns encargos para reduzir os impactos da crise no setor. Além disso, a entidade tem articulado, junto a vários panificadores, diversas reuniões online em plataforma digital com temas variados que se relacionam à crise para fomentar o debate, o compartilhamento de experiências e soluções que estão sendo aplicados nos negócios. O propósito é renovar as esperanças e a coragem dos empresários com trocas pertinentes.

A tendência é que a quarentena dure mais algumas semanas, levando o consumidor a precisar de ainda mais suporte das padarias. Atualmente, elas correspondem a 10% do mercado nacional, com, aproximadamente, 7 mil empresas que geram mais 80 mil empregos diretos e outros 180 mil indiretos. Por isso, é importante que um dos principais setores da economia siga unido e fortalecido para prestar um serviço de qualidade e essencial à sociedade, que sonha com dias melhores.

Fonte: Portal Mundo Minas

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

NOTÍCIAS
MAIS RECENTES

DICAS & IDEIAS
MAIS RECENTES

REDES SOCIAIS
FACEBOOK

NEWSLETTER
FIQUE POR DENTRO

Faça parte da nossa newsletter e fique atualizado com todas as informações sobre o setor da panificação. Preencha os campos abaixo para se cadastrar.

SÓCIOS COLABORADORES

× Ajuda?